MATO GROSSO: Audiência Pública em Sinop irá debater implantação da escola cívico-militar

A reunião, marcada para esta quinta-feira (28), contará com a participação do deputado Silvio Fávero (PSL) e do comandante-geral da Polícia Militar, coronel José Jonildo de Assis.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Foto: Karen Malagoli

O deputado estadual Silvio Fávero (PSL), a convite do professor e vereador Hedvaldo Costa, irá participar de uma audiência pública em Sinop, nesta quinta-feira (28), para discutir a implantação da escola cívico-militar na Capital do Nortão. A reunião contará também, com a participação do comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel José Jonildo de Assis. O encontro está marcado para as 19 horas, na Câmara Municipal.

Silvio Fávero é autor da Lei nº 10.922/2019 que facilita a instalação da escola cívico-militar nos municípios mato-grossenses. Fávero, desde a sanção da lei tem visitado diversas cidades em Mato Grosso para discutir o assunto e conseguir implantar escolas nessa modalidade. Vale lembrar que, na semana passada Fávero esteve em Jangada para tratar do mesmo assunto e por lá a aceitação foi bastante positiva. E, por falar em visita o próximo município a ser visitado pelo deputado é Vila Rica, no dia 6 de dezembro, às 19 horas, na Câmara Municipal.

Segundo Fávero, os colégios serão implementados em uma ação conjunta das secretarias de Estado de Educação (Seduc) e de Segurança Pública (Sesp). O intuito é que haja mecanismos que favoreçam educação de qualidade, policiamento comunitário e o enfrentamento da violência no ambiente escolar, visando à promoção da cultura de paz e pleno exercício de cidadania.

De acordo com o deputado, a expectativa é que nos 141 municípios mato-grossenses tenha pelo menos uma unidade de ensino nessa modalidade. Atualmente, o estado conta com apenas oito escolas militares, sendo sete comandadas pela Polícia Militar em Cuiabá, Confresa, Juara, Sorriso, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Rondonópolis e uma pelo Corpo de Bombeiro Militar, em Alta Floresta.

Ainda conforme o autor da lei, o objetivo visa oferecer excelência no ensino, além de transmitir valores morais, disciplina, amizade, patriotismo, o respeito à família, à pátria e o incentivo ao esporte. “Respeito ao professor, inclusive, que tem sido alvo de violência em sala de aula”.

A secretária estadual de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, ressalta que o modelo de gestão e de ensino respalda as unidades cívico-militares. “O grande argumento que respalda a escola militar é a qualidade dos resultados que ela tem trazido à sociedade. A educação é direito de todos, dever do Estado e da família”, salientou a chefe da pasta.

Já o diretor de Ensino, Instrução e Pesquisa (Deip) da Polícia Militar, coronel Ronelson Jorge Barros, explica que a diferença do colégio militar é o projeto político-pedagógico que tem como base o modelo paramilitar, ou seja, a organização particular de cidadãos não armados, mas fardados e sem pertencerem às forças militares regulares. “Nosso foco é o bom resultado, a disciplina, a motivação para o estudo contínuo e não apenas o estudar para a prova, além, claro de passar valores”, disse o coronel.

Assessoria

equipefavero

equipefavero

Deixe o seu comentário