EDUCAÇÃO: Escola cívico-militar deve ser implantada em Cáceres

Em Mato Grosso, existem hoje oito escolas militares, sendo uma delas coordenadas pelo Corpo de Bombeiros; mais seis municípios deverão contar com a implantação.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Em Mato Grosso, existem hoje oito escolas militares, sendo uma delas coordenadas pelo Corpo de Bombeiros; mais seis municípios deverão contar com a implantação.
Foto: JL SIqueira/ALMT

O deputado estadual Silvio Fávero (PSL), autor da Lei 10.922/2019 que facilita a implantação das escolas cívico-militar em Mato Grosso, comemorou a informação de que mais seis cidades encontra-se em aptas à instalação de Escolas Militares e, entre elas o município de Cáceres, município onde também deverá realizar audiência pública, neste primeiro semestre, para debater o assunto. A reunião é prevista na Lei, para que seja implantada a unidade escolar nessa modalidade.

Essas cidades fazem parte de um estudo feito pelo Comando-Geral da Polícia Militar de Mato Grosso, sob a responsabilidade do comandante-geral da Polícia Militar, coronel José Jonildo de Assis e solicitação deputado e autor da Lei, encaminhadas através de indicação à PMMT, em agosto de 2019 solicitando o levantamento e também a instalação de unidades de ensino compartilhadas cívico-militares, em diversos municípios mato-grossenses.

Os municípios de Cáceres, Barra do Garças, Tangará da Serra, Vila Rica, Alta Floresta e Primavera do Leste receberam o aval da PMMT, considerando que os mesmo possuem comandos regionais estabelecidos, além de estrutura administrativa compatível com as exigência necessárias para atender as demandas educacionais.

“Homologo o parecer oriundo da diretoria de Ensino, Instrução e Pesquisa e concordo em parte com o atendimento do pleito, posto que a PMMT poderá colaborar”, disse o coronel Assis, ao frisar que a criação é de competência do Poder Executivo Estadual.

“Infelizmente ainda não conseguimos dar retorno a todos os municípios, quais pedimos a implantação, mas estamos otimistas com as primeiras seis cidades que possivelmente receberão às implantações. É apenas o começo. Desde a sanção da lei, em 12 de julho do ano passado, temos percorrido os municípios para saber da população se querem ou não a escola cívico-militar. E, para nossa alegria o resultado foi bastante positivo com relação à aceitação”, enfatizou Silvio Fávero, autor da lei.

INVESTIMENTO FEDERAL – Em novembro do ano passado, quatro meses após sanção da lei de Fávero em Mato Grosso, o presidente da República Jair Messias Bolsonaro anunciou o Programa Nacional das Escolas Cívico-militares. Foram selecionadas 54 escolas públicas, sendo 38 estaduais e 16 municipais, localizadas em 23 estados e no Distrito Federal.
Cerca de 1.000 militares, entre reserva e ativa, participará do projeto-piloto, encapado pelo governo federal e atuarão na gestão educacional das instituições. A Capital Mato-grossense foi uma das contempladas e receberá investimentos na ordem de R$ 2 milhões para serem investidos em duas escolas.

Conforme o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a escola das escolas levou em consideração a localidades, a partir de “uma equação com variáveis com base em critério absolutamente técnico”, ressaltou o ministro.

UNIDADES EM MATO GROSSO – Atualmente, Mato Grosso possui oito escolas militares, sendo sete da Polícia Militar, localizadas nos municípios de Cuiabá, Confresa, Sorriso, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Juara e Rondonópolis (em fase de implantação), e uma do Corpo de Bombeiros, em Alta Floresta.

Joelma Pontes / Assessoria

equipefavero

equipefavero

Deixe o seu comentário