PROTEÇÃO: Silvio Fávero é autor de Projeto que prevê isenção de ICMS para aquisição de armas e munições

Projeto foi desenvolvido em benefício de agentes de segurança pública, alinhado com as ações desenvolvidas pelo Governo Federal.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Tramita na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o Projeto de Lei nº 562/2020 de autoria do deputado estadual Silvio Fávero que propõe a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para aquisição de armas de fogo e munições aos agentes de segurança pública, ativos, inativos e da reserva e aos atiradores das entidades de desporto.

De acordo com o parlamentar, esse projeto, que segue para primeira votação na Casa de Leis, visa permitir que os profissionais de Segurança Pública tenham mais condições de adquirir arma e munição particular, por meio da isenção de impostos.

“Este Projeto de Lei objetiva garantir que os agentes de segurança pública mais condições para adquirir armas de fogo e munição, com foco no aprimoramento e precisão no manuseio do armamento como instrumento de defesa”, defendeu Fávero.

Silvio Fávero destaca também como argumento da proposta a dificuldade na aquisição de equipamentos e materiais de consumo de defesa pessoal por parte dos agentes dentro dos próprios órgãos de segurança.

“O que impede, ainda mais, que o Estado abasteça o policial fora do serviço, onde os riscos são agravados. Sendo assim, passa a ser de suma importância à estas pessoas, responsáveis pela segurança pública, a isenção do ICMS para aquisição de armas e munições”, completou o deputado estadual.

ALINHAMENTO NACIONAL

A iniciativa do deputado estadual Silvio Fávero em apoio aos agentes da segurança pública vai ao encontro das medidas nacionais que facilitam o acesso ao armamento.

A Polícia Federal publicou nesta quinta-feira (20.08) nova instrução normativa que flexibiliza as regras e procedimentos para posse e porte de arma de fogo no Brasil. Segundo a instituição, a instrução normativa 174 “desburocratiza o processo de armas”.

A instrução possibilitará que magistrados e membros do Ministério Público tenham a aptidão psicológica e a capacidade técnica de manusear as armas atestadas pelas próprias instituições.

Além disso, a PF deixará de exigir documentos que já existam em seus sistemas, reduzindo prazos para novos pedidos de posse e porte. A instrução também adequa a Polícia Federal a decretos mais recentes sobre o tema. Amplia, por exemplo, a validade do registro da arma de fogo para 10 anos, mudança promovida por decreto de 2019 do presidente Jair Bolsonaro.

Assessoria

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa

Deixe o seu comentário